2007/02/07

(Outras) broncas éticas à espera de acontecer com o aborto livre até às 10 semanas I


O aborto como técnica de escolha de género.

10 comentários:

Anónimo disse...

Que tem o JLP contra a escolha de género?

As pessoas querem escolher o sexo do seu filho. Porque não hão-de ser livres de o fazer?

Pretende o JLP proibir as pessoas de tal coisa? Com que argumento?

Luís Lavoura

ringthane disse...

LL,

concebe que os progenitores sejam livres de endoutrinar pelo uso de força irresistível um filho, politica, religiosa ou moralmente? Então recue, e não se esqueça que ao recuar aumenta em proporção directa o grau de direito do menor, e diga-me se ainda não reconhece razão ao JLP.

Não?

JLP disse...

Acho que o LL não está muito bem a ver como ºe que a "coisa" funciona...

ringthane disse...

É normal em académicos.

Anónimo disse...

Se o JLP acha que eu não percebo como funciona a coisa, então explique-me sff.

Eu penso que a coisa funciona assim. Uma mulher engravida. Faz uma ecografia na qual constata que o sexo do feto não é o desejado. Então, decide abortar.

Eu não acho que isto seja propriamente uma forma de proceder muito elegante, mas acho que é perfeitamente legítima. As pessoas têm o direito de querer ter um filho apenas se ele fôr de um determinado sexo, e de atuarem nesse sentido. Sou pela liberdade.

Luís Lavoura

JLP disse...

Grosso modo é dessa forma. Somente há a diferença que, no caso dos prazos que estão em cima da mesa, a avaliação do sexo por ecografia não é, ao que julgo saber, possível, o que transforma a decisão num processo com contornos mais estatísticos.

É aí que entra o uso do producto que refiro.

ringthane disse...

LL,

estende portanto essa sua apreciação pela "liberdade" ao ponto de permitir que os pais tentem moldar o filho na total acepção do termo, desde a concepção, ou acha que algures termina a liberdade daqueles, por começar a deste?

É que não me respondeu.

Anónimo disse...

JLP, tenho dois filhos. Em ambos os casos o facto de que eram machos foi visto por ecografia às 8 semanas de gravidez. Um bom médico radiologista consegue ver um pénis já às 8 semanas.

Luís Lavoura

Anónimo disse...

ringthane, claro que os pais devem ter a liberdade de, usando métodos legais e tolerados pela sociedade, como seja o aborto até às 10 semanas, fazerem o que quiserem e pelos otivos que quiserem, incluindo escolher o sexo do filho. Desde que não violem a lei, ninguém tem nada a ver com isso. E escolher o sexo do filho é um desejo legítimo da maior parte dos pais. E não ou eu quem tenho autoridade para cercear a liberdade dos outros de fazerem o que bem entendem.

Luís Lavoura

ringthane disse...

Obrigado pelo seu tempo, LL. Considero a posição que defende totalmente contrária ao mais elementar respeito pela liberdade, perversão essa que não posso deixar de olhar com interesse científico, dado que me parece que o LL acredita mesmo que ao assumir esse ponto de vista campeia justamente pela liberdade.