2008/03/26

Envelopes Muitos

O Luís Filipe Menezes acaba de dar uma proposta em como aumentar substancialmente a corrupção no país. Basta uma mudança legislativa para que o poder discricionário dos autarcas permita ter grandes impactos na facturação dos agentes económicos. Que esteja na sua mão uma decisão tão simples como estes poderem facturar ao domingo, dia de maior encaixe.

A decisão sobre os horários de abertura das grandes superfícies caberá ao executivo camarário. O autarca poderá dispor de um poderoso instrumento de chantagem. E de uma fonte inesgotável de receitas para proveito pessoal.

O comerciante mais apto será assim aquele que souber habilidosamente rechear a conta pessoal do autarca.

4 comentários:

Stran disse...

Finalmente algo que concordo contigo (LoL)

JoaoMiranda disse...

Mas os horários do comércio não é já decidido por políticos? Porque é que a corrupção aumenta só porque a decisão passa a ser tomada de forma descentralizada? Até pode diminuir. Os presidentes de câmara para além de estarem sujeitos a um esctutineo mais próximo têm também que lidar com a concorrência dos concelhos vizinhos.

Stran disse...

Caro João Miranda, uma dúvida:

Os casos de corrupção mais obvios aconteceram na:

a) Administração pública?

ou

b) Administração Municipal?

Já agora espero que a resposta venha com exemplos concretos.

Filipe Melo Sousa disse...

João, repara que para haver neste caso uma prática de corrupção a nível central, os proprietários teriam de agir de forma concertada, caso contrário estariam a subsidiar o proveito da concorrência, recuperando uma parte pouco apetecível.

A passagem a nível local confere uma alavancagem do retorno do "investimento", com uma redução do risco