2008/02/27

Pela despenalização da corrupção desportiva


Apesar de todos os protestos e acusações de arbitragem tendenciosa, cada vez que o Benfica mete os pés em campo, aceita automaticamente a legitimidade das regras da Liga de Clubes. Confia que esta é a principal competição portuguesa, que os clubes que nela participam são os fiéis representantes do melhor futebol português, e que os órgãos por eles eleitos têm todo o interesse em investigar e fazer desaparecer casos de má arbitragem.

Se não é este o caso, então a Liga de Clubes não é a fiel confederação do melhor futebol português, e poderá existir, nada o impede, uma outra competição mais importante que o Benfica poderá disputar. Que crie outro torneio com outros clubes que não se reconhecem na Liga, e que alegue ser esta a fiel representação do melhor futebol português, que reúna os patrocinadores e que comece o jogo. Os apreciadores de futebol saberão reconhecer a verdadeira competição, assim como o flagrante da má arbitragem, e o gosto pelo desporto continuará.

A Liga de Clubes perderá credibilidade em detrimento da nova. A corrupção auto-regula-se sem necessidade de criminalizar a corrupção na arbitragem. A corrupção também se auto-regula na medida em que o dinheiro gasto a corromper os árbitros é perda de recursos. Os clubes que concorrem numa liga menos corrupta tendem a libertar menos recursos para alocar em meios desportivos.

Que não peça que o governo interceda para mediar uma disputa legal, que nem legal deveria ser. Trata-se de uma luta pelo esclarecimento das regras do jogo que os próprios clubes de futebol definiram. Quando jogo ao King, e começa-se a discutir se o Rei de Copas tem de ser baldado na primeira vasa, não chamamos a Maria José Morgado para mediar a discussão. Os contribuintes portugueses, muitos dos quais não gostam de futebol, não têm que financiar a dispendiosa investigação que envolve os mais altos cargos do ministério público.

É só uma porcaria de um jogo, porra!

2 comentários:

Mentat disse...

"Os contribuintes portugueses, muitos dos quais não gostam de futebol, não têm que financiar a dispendiosa investigação que envolve os mais altos cargos do ministério público.

É só uma porcaria de um jogo, porra!"

Finalmente alguém que me entende...
Sempre que digo alguma coisa neste sentido olham para mim como se fosse um ET.
.

JB disse...

"Os contribuintes portugueses, muitos dos quais não gostam de futebol, não têm que financiar a dispendiosa investigação que envolve os mais altos cargos do ministério público. - FMS

Subscrevo inteiramente. Já o disse "n" vezes. O Apito Dourado é uma maneira tão estúpida de gastar dinheiro dos contribuintes quanto os estádios do Euro 2004. Mas se há coisa em que somos especialistas...