2007/12/04

... Muda-se

"O escravo tem um amo só, o ambicioso tem tantos quantos são úteis à sua fortuna”.

(Jean de la Bruyère)
Parece que o Tiago Mendes foi corrido optou por tirar as suas conclusões em relação à crise que ele próprio criou, e se vai afastar da participação no blog da Revista Atlântico. Isto se, a julgar pela quantidade de artigos que ainda vai escrevendo depois do "ponto final", não se tiver ainda barricado.

Saída em grande, com todos os ingredientes do tiagomendismo e da tragédia clássica grega, apesar do facto de se esperar que o coro venha a desempenhar uma função substancialmente distinta. Senão vejamos:

- O respeitinho, a educação e tento na língua em função do destinatário, ou a discussão de "ideias" e não de "pessoas":
No texto que eu tinha originalmente escrito para este post, incluía um parágrafo em que referia isto: eu consideraria inaceitável escrever algo próximo do que escrevi sobre o André Azevedo Alves relativamente ao “deus” nesta casa - o director - ou mesmo aos seus “semi-deuses” - os membros do Conselho Executivo (Rui Ramos, Vasco Rato, João Marques de Almeida, Luciano Amaral). Se escrevesse tal coisa sobre o director, só podia bater de imediato com a porta - e o mesmo se teria de passar, provavelmente, se me referisse a um membro do Conselho Executivo. [...] O André Azevedo Alves, neste momento, é “apenas” colaborador e membro do Conselho Editorial da revista.
- Os Cavaleiros do Apocalipse, ou o acumular de escritos que não permitiu citar nem sequer um:
O que o que escrevi sobre o que tem escrito o André Azevedo Alves não foi motivado por “um” post dele recente, mas sim por um acumular de escritos na blogosfera que primam pelo saudosismo, conservadorismo moral e libertarianismo económico [...]
- O "puxei, puxei mas não saiu nada":
Eu não digo que o André Azevedo Alves me dá vómitos - isso seria, obviamente, gratuito e inaceitável. Os fortes qualificativos que usei resultam de um conjunto de ideias suas que, na minha opinião, o tornam merecedor desses atributos.
- O síndrome "o que é chato é eu não lhes conseguir dar a volta e ele ter mais público que concorda com as dele do que com as minhas":
Aquilo que eu escrevi foi motivado por uma coisa muito simples: considero que as ideias expressas pelo André Azevedo Alves são demasiado toleradas à direita - no sentido de não serem “criticadas” suficientemente, e não no sentido de não haver ninguém que as “elimine”.
- O argumento do sistema, ou a táctica Luís Filipe Vieira:
Pergunto, então: por que há, à direita, tão poucas críticas ao que escreve o André Azevedo Alves? Será por “medo”? De quê? Porque ele está na revista, e em crescendo na revista? Porque tem as costas quentes? Por preguiça? Porque muitos dos possíveis críticos estão de outro modo comprometidos, temendo perder lugares ou favores? Porque a direita que se diz “moderna” se revê naquele conjunto de ideias e na forma obsessiva, mal educada (sim, a “educação” era ironia, claro que se trata de um mal-criado), propagandista e moralista? Porquê, pergunto? Pergunto mesmo.
- O momento de clarividência:
Participar num blogue conjunto implica regras mínimas de convivência. Quando vim para este blogue, o André já cá estava. O Henrique e o Paulo tiveram, com grande pachorra e simpatia (e também interesse: afinal, a imagem de “pluralidade” e as audiências também contam), muito insistir para que eu aceitasse o convite, porque temia que alguma ruptura viesse a ter lugar.
- A escola otáviomachadista, ou o argumento "vocês sabem do que estou a falar":
Não vale a pena recolher dezenas de posts sobre isto, deixei uma pequena amostra. Quem o lê sabe do que falo, e quem não sabe do que falo, paciência.
- A victimização, a imolação do mártir, ou aquela cena em que começam a tocar os violinos:
Se ser desagradável - muito por não se conseguir escrever, num momento de impulso e em que se sente que é preciso “dizer basta” de forma clara - é o preço a pagar para se poder dizer verdades importantes, sem salamaleques, de forma clara, tendo como consequência o não poder frequentar certos salões sociais, é um preço que aceito, mesmo tendo em conta os danos causados a terceiros. Sempre me ensinaram - família e 9 anos de educação num colégio católico, desde pequenino - a valorizar a “boa formação” e a “boa educação”, mas a dar prioridade à primeira. A olhar mais para o coração do que para a roupagem.
- O momento "afinal havia outra", ou "causa é causa mas isto do altruísmo é claramente overrated":
Vim para este blogue, como qualquer mortal viria, com um misto de interesses pessoais e de contribuir para um projecto em que acreditava e que acarinhava.
- A ameaça, ou o síndrome "eu tenho muitos poderes" (próximo do "eu parto isto tudo" de uma Zazie de outras paragens):
Primeiro, sublinhando que existe muita gente à direita (que eu conheço alguma, acreditem que sim) que suporta as ideias do André Azevedo Alves tanto ou menos do que eu, só que não o diz. (Se eu revelasse alguns nomes publicamente, acreditem que a blogosfera de direita nunca mais seria a mesma).
- O beijo de Judas:
Terceiro, agradecendo novamente ao Henrique - mas sobretudo ao Paulo - a oportunidade que me deram de estar aqui; e desejando a melhor sorte a todos os que estão no barco que agora deixo, em particular ao seu dedicado e esforçado director, que terá muitas limitações (todos temos) mas não essas duas. Ele está neste projecto de corpo e alma e, como já disse o Henrique há tempos e eu concordo, “Os outros falam, o Paulo faz”.
Como se vê, ingredientes do mais fino recorte que, ainda mais com a greve dos argumentistas de Holywood, seria matéria pronta a verter no próximo êxito em substituição de um Tom Clancy ou de um John le Carré.

Isto se não fosse simplesmente patético.

28 comentários:

zazie disse...

ó rabicha,vai lá citar a tua mãezinha, está bem, palonço?

zazie disse...

v.s são mais que as mães. Em cada 3 bloggers um é paneilore.

Anónimo disse...

O jlp passa a vida a tentar imitar o João Miranda (sem grande sucesso, lamento dizer) e depois vê o Tiago Mendes a ser aclamado por pensar pela própria cabeça. É tramado, não é?

Zazie, você é uma chata.

Ricardo G. Francisco disse...

O Tiago Mendes tinha de saír. Podia era não ter saído tão mal. O último texto é surreal. Acho que o homem está com problemas sérios.

zazie disse...

V. é que é panasca e me linca numa cena que não me diz respeito e eu é que sou chata?

Vá lá pedir ao paizinho que lhe dê tau-tau.

Já não pachorra para estas bichonas ideológicas. Como se não fosse igual ao outro.

Ao menos o Tiago nem metia mulherio ao barulho e é inteligente. V.s são burros e tão mariconços quanto ele.

Ricardo G. Francisco disse...

Um pensamento alto. Será que o MLS ainda não convidou o Tiago a star guest no speakers ou foi o Tiago que não aceitou?

O TM tem estado bastante alinhado com a direção do mls no que toca aos pontos em que julgam que o estado se deve meter na vida das pessoas...

zazie disse...

Aposto que o Tiago nem conhece ao vivo o AAA. É como estes rabetas de consciências alugadas.

Basta-lhes o ressabiamento. O panasquita do post foi linkar-me para ajustar contas porque também topei que é dos mesmos. Uma rabeta retorcida mal disfarçada.

Ricardo G. Francisco disse...

Cara Zazie,

Essa aposta diz tudo sobre a pouca compreensão que tem do que é que se passa atrás do pano.

Joao Galamba disse...

Ricardo,

"O último texto é surreal". Pensava que te conhecia e que sabias ler. Pelos vistos, enganei-me. Francamente.

Gabriel disse...

excelente!

zazie disse...

Ricardo:
V. caiu que nem um patinho.

Eu estive a gozar e a provocar este idiota porque foi absolutamente gratuito linkar-me e meter-me nesta história.

Apenas isto. Tudo o que disse na Atlântico e tenho dito no PC ou no Cocanha dá para perceber que este anormal me meteu aqui a martelo, no post, apenas por revanche de umas cenas antigas.

zazie disse...

Só não vou contar o motivo pelo qual o imbecil teve de me englobar porque, apesar de ser mulher, detesto tricas.

Por isso é que gozei com o palonço, deu ar de mulherzinha com esta vingançazinha requentada.

zazie disse...

Foi mais uma jaquinice para a conta. Andamos em maré de liberalismos de marsapo e jaquinices de direitas ornitorrincas.

JLP disse...

Felizmente, a zazie não desilude na sua previsibilidade.

E na certeza de a ver passar por cá a "partir a casa toda" com a sua retórica de fino recorte e boas famílias que há muito nos habituámos a conhecer.

Venha e "parta" mais vezes, que eu pelo menos vou-me divertindo.

Migas disse...

Pensava que te conhecia e que sabias ler. Pelos vistos, enganei-me. Francamente.

É assim mesmo. Quem não concorda com o Galamba é porque não sabe ler. Atitude mais consistente com o "bitching" do Tiago não podia haver. Vocês são os cérebros e todos os outros são estúpidos.

Cirilo Marinho disse...

João, o que é que se passa?

Porque é que esta gaja anda feita doida a queixar-se das tuas linkadelas?

O que lhe fizeste que a gente não sabe?

zazie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
zazie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
zazie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
zazie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
zazie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
zazie disse...

Pois é. Mudei de ideias. Não conto o que se passou para este palonço, passado 8 meses, ainda andar para aqui com estas porteirices ressabiadas.

Fica assim. E os amigos também escusam de me enviar mais mails a querer cuscar a porteirice.

Amanhem-se, hão-de ter muita foleirice em comum.

Ricardo G. Francisco disse...

João,

O Tiago não poderia ter saído pior da Atlântico. O texto tem todas as componentes para a desgraça. Desde a forma, demasiado longo e disconexo, ao conteúdo, cheio de inconfidencias e emoções pouco elevadas.

Como já disse, o Tiago tem o direito de achar o que quiser do André. E tenho a certeza que o André tambem dirá o mesmo. Se ele tivesse publicado aquele primeiro texto não na AtlÂntico mas em outro espaço, as consequências não seriam as mesmas. O conteúdo do texto não deixaria de o marcar, mas as consequências no que toca ao ambiente da revista não seriam as mesmas.

Não compreendo como é que uma pessoa com a inteligência do Tiago não foi capaz de o antecipar. A única razão que eu vejo, o que com a falta de informação sobre o assunto concreto, vale muito pouco, é uma inimizade pessoal tão grande que lhe destruiu toda racionalidade e convencionalismo.

De resto, é sempre bom ver-te por aqui.

Abraço,

Ricardo

Joao Galamba disse...

Ricardo,

Descula lá, mas acho que continuas a assobiar para o lado quanto ás críticas substantivas do Tiago. Ele excedeu-se em algumas coisas, mas o que ele escreveu vai um "pouco" além disso. A separação entre as duas direitas parece-te irrelevante? A tentativa de clarificação parece-te impertinente? O Pedro Lomba e outros à direita parecem discordar de ti.

Ricardo G. Francisco disse...

João,

Já tive várias pegas com o AAA, e pegas de frente (http://blog.liberal-social.org/curiosidade-a-c-aaa). No meio dessas desavenças aprendi a respeitá-lo. Porque ele assume as suas posições morais, sem as querer impor aos demais, porque leva pouco a sério a opinião que os outros têm dessas mesmas convicções. A prova de que é mesmo assim é a diversidade de ideias e opiniões a respeito de posições morais que encontras no insurgente.

De qualquer forma a mensagem do Tiago perde-se no contexto e no ataque pessoal. O contexto é inadmissível. O ataque pessoal prejudica em primeiro lugar o próprio Tiago.

Por mais que muitos discordem das posições moralistas do André, entre outros o Pedro Lomba, não os vejo a apoiar os textos do Tiago. São coisas diferentes, ponto.

A forma como o Tiago saiu mostrou uma falta de respeito enorme em primeiro lugar pelo projecto que o acolheu e que é responsável pelo mesmo palco que ele usou para representar a sua saída e em segundo lugar pelas pessoas responsáveis pelo mesmo. Entre outros momentos "altos", a inconfidência sobre o e-mail pessoal foi...surreal.

Anónimo disse...

Caro Ricardo Francisco,

Não vi aqui ou noutros blogues liberais ninguém a acusar o AAA do que quer que fosse quando tratou o Daniel Oliveira como "verme", quando disse do DO que "lhe faltava carácter", entre muitos outras coisas que o DO se encarregou de relembrar na caixa de comentários da Atlãntico.
Por isso, qualquer juízo moral que eu leia neste momento sobre o que o TM fez é invalidado pelo facto de o episódio demonstrar que há dois pesos e duas medidas.

Acresce a isto que as questões não morrem pelo facto de serem misturadas com ataques pessoais. Há, de facto, divisões à direita, mas isso não é o problema. O problema é que a direita do AAA é importante nos blogues e insignificante, senão desconhecida para o cidadão comum. E isso, felizmente para mim, é uma boa notícia.

Um abraço, JB

Ricardo G. Francisco disse...

Caro JB,

1. O AAA e o DO eram colegas de projecto ?

2. Achas que os impropérios lançados por "inimigos" têm o mesmo valor que os impropérios lançados por "amigos"?

De resto as ideias mais moralistas ou preconceituosas que o AAA possa ter são muito melhor combatidas pelo ridículo...o que já tem sido feito nesta casa e mesmo no insurgente.

Mas as críticas ad hominem do TM ao AAA não se ficaram por aí...e realçar essas críticas esquecendo as outras mais políticas ou de personalidade, quando é disso que a maior parte das pessoas que atacaram a posição do TM vincaram não está certo.

Anónimo disse...

Caro Ricardo Francisco,

Continuamos a discussão no próximo jantar.

Vou entrar em sabática.:)

JB