2007/11/28

O Elogio da Inutilidade

Em tempos, Keynes propôs que se pusessem os boys a enterrar sacos de batatas, e os seus primos e amigos a desenterrar os mesmos, de modo a aquecer a economia. Os empregos aparentemente inúteis iriam no entanto criar mais consumo, e reduzir o desemprego. Por efeito do modelo multiplicador, as receitas fiscais seriam obtidas pelo impacto que tal medida teria sobre a economia, ou seja a medida pagava-se por si.

A economia portuguesa está repleta de tais exemplos. Veja-se dois exemplos, na finalização do Eixo Norte-Sul:
- Uma Rotunda sem saídas
- Um Túnel sobre o qual não existe nada




Os homens ate despejaram terra e inventaram um monte, para ter onde construir o tunel numa planície. Terá sido para aproveitar algum subsídio comunitário?

14 comentários:

Anónimo disse...

Filipe, o seu post está engraçado, é sempre um exercício curioso avaliar projectos com base em fotografia aérea (deveria até haver uma cadeira dessa coisa nas faculdades) mas talvez não fosse mau colocar essas questões ao projectista.

R. Faria

Filipe Melo Sousa disse...

Não seja por isso caro amigo, aqui tem uma perspectiva 3D para julgar melhor
http://www.youtube.com/watch?v=BJM33KpYGUY

JLP disse...

Acho que o vídeo, de tão eloquente, merece promoção a artigo... ;-)

Mentat disse...

Filipe

Garanto que não sou o projectista e também já não executo obras daquelas (Graças a Deus), mas o que parece estranho a leigos até pode ter uma explicação técnica bem lógica.
Uma que me ocorre, é que saiu mais barato fazer o túnel, do que escavar e transportar a vazadouro o volume de terras necessário de forma a criar taludes estáveis.
A área ocupada por esses taludes seria muito maior e implicaria por exemplo expropriações mais caras.
Se não se fizessem taludes, ter-se-iam de fazer muros de suporte e ao fim e ao cabo, um túnel também pode ser um muro de suporte.
Se calhar, naquela zona vai ser feito um restabelecimento de via e assim poupou-se no viaduto.
E pode não ser nada disso e foi apenas para poupar uma colónia de sapos ou cobras e permitir que estes atravessem a estrada sem serem atropelados, nunca se sabe.
Isto com as alterações climáticas é preciso todo o cuidado, quando se mexe no ambiente…

Filipe Melo Sousa disse...

Eu não sou de civil, mas tenho a noção de que remover terras é mais barato do que construir um túnel com paredes de suporte. Sobretudo para tão magros taludes (dê uma olhada no vídeo acima referido). Há inclusive uma parte do túnel em que despejaram terra por cima do mesmo, para haver o que atravessar. Assim sendo, coloquei a hipótese económica de parte. Do que li, o túnel serve para reduzir o impacto ambiental (???). Não percebo em quê. Talvez para proteger o forte da ameixoeira, que está em muito bom estado, como aqui se pode ver:

http://lrm.isr.ist.utl.pt/jsgm/lsb_abandono/forteameix.html

Mentat disse...

"Do que li, o túnel serve para reduzir o impacto ambiental (???). Filipe"

Eu não lhe disse que até podia ser por causa da colónia de sapos...
:)

Mentat disse...

"Eu não sou de civil, mas tenho a noção de que remover terras é mais barato do que construir um túnel com paredes de suporte."

Filipe

Remover não é muito caro, mas transportar a vazadouro, especialmente na zona de Lisboa é exorbitante.
E o mais provavel é o tunel tenha sido feito a céu aberto mesmo e depois recoberto.
Pelo menos é assim que eu faria.
Mas eu vi o video, e por isso é que não me escandalizou muito a solução.
Apesar de a altura parecer baixa, a escavação em talude de inclinação estavel, iria alargar muito a zona de intervenção.
Depois há logo ali casas perto, e caminhos que tem de ser restabelecidos.
O que quer dizer que teriam de se executar muros de suporte, drenagens, barreiras acusticas, passagens suoeriores, etc., etc.
Um túnel com aquela forma feito a céu aberto é uma solução "baratinha".

Mas se quer encontrar obras em que a intenção foi mesmo "queimar" dinheiro, é só ver as malditas rotundas que pululam por aí.

A esmagadora maioria delas são abortos tecnicamente insustentáveis.
.

Anónimo disse...

Ó Filipe, pedindo imensa desculpa pelo atrevimento e insolência, porque não se levanta daí e tenta saber junto de alguém (projectista, por exemplo, quem sabe...) qual o objectivo da coisa? Diga depois alguma coisa.

R. Faria

Filipe Melo Sousa disse...

objectivo? mas qual objectivo. as imagens falam por si :) mas para pessoas como você R. Faria, eu coloquei um pequeno explicativo acerca de fundos europeus e políticas camarárias "visionárias "

:)

Anónimo disse...

Filipe, eu sou pouco pós moderno e não me basto com explicações multimédia. "Imagens a falar por si" não me calha... O que eu lhe pedia, platonicamente, é claro, é que fosse tentar saber se a solução é ou não a adequada (técnica e/ou economicamente) em função das circunstâncias concretas. Isto é (mesmo alguém que não é "de civil"), deve compreender... ;)) se as obras de que fala estão assim por alguma razão concreta razoável. Nestas coisas, costuma falar-se com o responsável. Digo eu.

R. Faria

Filipe Melo Sousa disse...

Não estou interessado em falar com o responsável. Já tirei as minhas conclusões.

Caso veja alguma pertinência na obra, diga-me qual. Pode, tal como sugeriu, contactar o responsável pela obra, mas eu creio que esse limitou-se a fazer o que lhe contrataram com dinheiros públicos.

De qualquer forma, boa sorte!

Anónimo disse...

"Não estou interessado em falar com o responsável" Eu sei. Como lhe disse, o meu "pedido" era platonico. De qualquer forma, se você crê, quem sou eu para o desiludir.

R. Faria

Anónimo disse...

Já ouviu falar em urbanismo? As saídas das rotundas não estão lá por acaso.Existem PDM's, existe um projecto de urbanização definido. Interessante ouvir criticar que não se urbaniza a pensar no futuro, mas quando se faz acontece isto.

Mas já que tirou as suas conclusões sem sequer conhecer o projecto ou o plano de urbanização fico-me por aqui.

AA disse...

bem... já que precisam de um engenheiro... nao é possivel construir tal túnel com tão pequeno recobrimento de terra, pelo que é obvio que ele foi construido a céu aberto e depois tapado... regra geral faz-se isso para mitigar o "efeito trincheira"- o bloqueio outras passagens de um lado para o outro. A rotunda tem saídas, mas nao ligam a lado nenhum. parece-me obvio que dão para futuras urbanizações. poderiam ser feitas depois, mas isso implicava trabalhos perto de uma via de grande movimento, por isso costumam fazer-se antes...