2007/09/19

A Lenda de Carcassonne

À entrada de Carcassonne existe uma estátua da Dame Carcas, a heroína local. Comparável à nossa padeira de Aljubarrota.

A lenda popular remonta à idade média. Conta-se que durante um longo cerco à cidade, Carcassonne ficou sem mantimentos para os seus habitantes. As tropas inimigas tinham por objectivo tomar a cidade pela fome. A Dame Carcas soube mostrar-se à altura, dominando perfeitamente a arte do bluff. A valente mulher lançou pelas muralhas abaixo um porco bem farto, oferenda às tropas inimigas, em tom de desdém.

Os invasores desanimados pela notícia da aparente fartura de mantimentos dentro da cidade, levantaram o cerco. A multidão eufórica tocou os sinos. Daí o nome da cidade: "le carcas sonne".

4 comentários:

Anónimo disse...

Dois comentários:

(1) Duvido que o nome da cidade tenha seja o que fôr a ver com o verbo francês "sonner". O nome da cidade é catalão, "Carcassona", análogo a outros nomes de cidades catalãs, como Barcelona e Tarragona. Carcassonne fica na região de influência da lìngua catalã, e não na região da atual língua francesa.

(2) Essa lenda tem pelo menos um análogo em Portugal: a Deu-La-Deu Chaves, mulher de Monção, no Alto Minho, que, estando a vila cercada, lançou pães em fartura pelas muralhas. Ainda hoje ela se encontra no brasão de Monção, com a fase "Deus o deu, Deus o há dado" (referindo-se ao pão).

Luís Lavoura

JoaoMiranda disse...

Deu-La-Deu Martins

Corria a guerra entre D. Fernando de Portugal e Henrique II de Castela. Data desta época a lenda de Deu-la-Deu Martins, mulher do capitão-mor de Monção, Vasco Gomes de Abreu.

Depois de um longo cerco às muralhas de Monção, a fome reinava no interior da fortaleza, o que impunha a rendição. Deu-la-Deu num misto de audácia e astúcia, simula com os pães lançados do alto da muralha às hostes inimigas, abundância onde só havia necessidade. Esta estratégia teve um excelente efeito psicológico. O inimigo pensando que a abundância na fortaleza era tal que a rendição pela fome era impossível, levantou o cerco.

É uma lenda ou é verdade? Se for uma lenda, como é que se justifica a existência de um cenotáfio da heroína construído pelo seu 3º neto? Porque ostenta o brasão da vila a figura da nobre mulher a distribuir pães do alto da fortaleza?

http://www.cm-moncao.pt/deuladeu.asp

Filipe Melo Sousa disse...

Quando me contaram a lenda de Carcassonne bem me pareceu haver uma história equivalente na nossa história. Durante muitos anos confundi-a com a padeira de Aljubarrota. Mas isto leva-me a concluir que este tipo de bluff é um clássico. Muito actual!

Pedro Folgado disse...

Também a aldeia de Monsanto, na Beira Baixa, tem uma lenda parecida às supracitadas, e todos os anos se realizam festejos comemorativos do acontecimento.

Cumprimentos!

http://www.cm-idanhanova.pt/freguesias/monsanto.html