2007/02/12

Conclusão

Aparentemente, a "causa fracturante", o "flagêlo", a "lei medieval", e o fenómeno que aflige "tanta gente de um modo transversal na sociedade", conjugados com a ausência de praia, não conseguem fazer mais do que 26% do nosso eleitorado tirar o rabo de casa para ir votar Sim.

4 comentários:

Anónimo disse...

Claramente, o PCP tinha razão: os deputados deveriam ter feito uma nova lei do aborto sem andar a fazer ao povo perguntas que não lhe interessam muito.

O problema é que os deputados são pusilânimes: não conseguem assumir as suas responsabilidades.

Luís Lavoura

ringthane disse...

Florestas, droga, criminalidade violenta, trabalho infantil e demais fiscalização de boas leis. Tem toda a razão o LL quando se queixa do mau aproveitamento que fazem dos votos colhidos. Não o meu, em caso algum.

Miguel Madeira disse...

Aparentemente, as "crianças assassinadas", o "retrocesso civilizacional", conjugados com a ausência de praia, não conseguem fazer mais do que 18% do nosso eleitorado tirar o rabo de casa para ir votar Não.

JLP disse...

Caro Miguel Madeira,

A questão é que para o Não, bastava manter o statu quo, ou seja, bastaria apostar na abstenção e na falta de mobilização, que se confirmou, do Sim.

Quem tinha que dar provas de querer mudar era o Sim, não o Não.