2007/10/08

Voltaram os Ferraris para os maus Gestores

Pagos à custa do contribuinte, os bobos da festa, como de costume.

O Governo vai disponibilizar 530 milhões de euros para as pequenas e média empresas que apostem em inovação, com o objectivo de aumentar a sua competitividade, anunciou hoje o ministro da Economia e Inovação. (...)

"Estes recursos são os parceiros que as PME inovadoras e competitivas necessitavam para poder crescer", disse Manuel Pinho (*).
Resta definir o que se define por Inovação, e quais são as empresas competitivas. Se o produto for realmente inovador, e útil para o consumidor, de certo que alguém estaria interessado em pagar por ele. A longo prazo a empresa inovadora tende a prosperar, pergunto-me então para que seria a injecção de dinheiro necessária? Existem empresas cronicamente inovadoras, cronicamente premiadas pelo governo, e cronicamente com necessidade de serem ajudadas. Estranho...

Mas é claro que o Manuel Pinho dispõe de uma equipa de iluminados que sabem distinguir o trigo do joio. Melhor que os contribuintes que pagam estas ideias visionárias, e melhor do que os próprios gestores. Pela experiência anterior, as empresas mais inovadoras são as empresas dos amigos do ministro que se encontram em insolvência, e que necessitam de umas injecções de capital para manter os tachos.

Ah, estas amizades que se pagam no natal com umas valentes prendas!

(*) Ministro da Economia, que tem por função governativa beneficiar algumas empresas arbitrariamente escolhidas por ele, à custa de todas as restantes.

1 comentário:

Vasco Trappola disse...

Lembra-me os subsidios da PAC. Que foram muito úteis! Aqueles que reformaram a agricultura nacional, tornando-a produtiva e competitiva... :P